quinta-feira, fevereiro 07, 2013

Canção da lira morta



para Drummond
Querem, uns poetas de agora
Engenheiros de sementes secas
Mestres de obras
Pedreiros de labirintos
Dinamitadores de pontes
Gesseiros de versos, aborteiros da comunhão
Querem, esses poetas de departamentos
Ratazanas do lato sensu:
Afagos acadêmicos
Distintos
Anêmicos
Endêmicos
Querem, esses seres cultos
Entediantes, arrogantes
Alcançar a equação do verso
A estrofe semiótica
A polifonia para decretos
O edital, a bolsa, a boca

Querem  ausência
Almejam o vazio
Planejam o descompromisso
A neutralidade dos indiferentes
Um lugar na bancada
E que o poeta só finja, não sinta nem seja nada.

Nenhum comentário:

Seguidores