terça-feira, setembro 13, 2011

Colóquio de poesia do século XXI

De um lado,
o bafo morno das ruas
me arranha a nuca

Do outro,
a gelada sala da confraria
me angustia

Dentro das minhas veias
regurgito ruas
enveneno friezas
desencapo versos
& reversos

É quando tudo pulsa

Nenhum comentário:

Seguidores

Arquivo do blog